17.11.18

Stay


E eu quero imenso ser quem tu mereces que eu seja mas eu não sei como te amar.
Porque eu olho para ti e sei que não te posso perder mas não sei como te agarrar. E tu dizes que só eu chega mas e se eu não estiver inteira, chega-te?
Porque eu olho para ti e sinto que não podes ficar para sempre neste impasse comigo mas não me consigo decidir. E tu dizes que todo o tempo do mundo para esperar por mim é pouco mas e se no fim esperares muito por tão pouco?
Porque eu olho para ti e sei que naquele momento eu quero-te mas no dia seguinte não nos quero. E tu dizes que te querer por um momento é a tua maior sorte mas e se eu te disser que fui o teu azar?


O passado retirou me a força que devia ter para lutar por nós e eu não sei onde encontrar o que me falta. Porque o que me roubaram, já não me devolvem e tu dizes que vais comigo a procura do que for preciso mas eu sei que procurar não chega. Que nem com toda a tua vontade e coragem unidas à tua determinação e paixão reconstroem o que se partiu. E eu perdi tanto quando me partiram...

Resta-me um pedido de desculpas por não me dar totalmente e irrevogavelmente a ti, por não puder ser tua. É que sabes, já não sei ser de ninguém...
Então: Desculpa. Desculpa por quereres desistir de mim e não conseguires, desculpa por cada toque meu ser uma esperança, por cada sorriso meu te fazer ver que vale a pena a tua auto-destruição, por cada olhar meu te fazer querer lutar pelo que não existe. Dentro de mim não há nada para te dar e eu tenho medo do dia em que percebas isso, do momento em que percebas que eu não sou os suficiente para nós.
Mas ainda assim peço-te para que não me deixes porque preciso de ti. Sei que é egoísta e cruel da minha parte. É um pedido desrespeitoso porque sei que neste momento não me consegues dizer que não enquanto te olho nos olhos e te peço para ficares, assim, sem mais nem menos, sem justificações ou argumentos, sem outras perguntas ou respostas. Não me consegues negar porque a simples junção das letras que faço para te pedir que fiques é demasiado para ti por ter sido eu que as proferi. Pedir-te que fiques é um ato de violência contra ti e contra mim própria mas ainda assim, fica o tempo que conseguires até eu ter coragem de te dizer para ires embora, até eu ter coragem de te libertar e deixar ser melhor junto de outra pessoa. Mas por agora:


Fica.

Sem comentários:

Enviar um comentário