7.8.14

Time Flows Around Us, in our Veins, in our Lives.

Será que o mundo se preocupa mesmo connosco ou somos nós, que por querermos tanto e tão mal essa ideia imaginamos esse acontecimento a tempo real?
O que é o tempo real? O que significa pedirem-nos um 'tempo'? qual o propósito de nos dizerem 'vai ser um tempo de alegrias' ou 'um tempo de tristezas'? Quanto tempo dura exactamente esses tempos? Nós damos um tempo ou recebemos um tempo? Somos nós que definimos a durabilidade de um tempo? dias, semanas, meses, anos?
Só sei que o tempo não pode durar uma eternidade. Não poderá ser para sempre um tempo de tristezas mas com certeza as alegrias também se desvanecerão.
Eu perco me no tempo. Perco-me nos dias da semana, distraio-me com os meses do ano e deixo fugir as décadas da minha vida, ou seja, eu perco-as como elas me procuram a cada segundo.
Mas o mundo foi feito com tempo, foi feito de tempo. Será que ele pediu o tempo, ou o recebeu?
Eu pedi-te tempo e tu não mo deste. Eu pedi mais tempo para estarmos juntos, mais horas, minutos, segundos.
Tu pediste-me um tempo diferente. Pediste umas horas, dias, semanas quem sabe longe de mim e eu entreguei-te. Tu recebeste.
Ambos pedimos tempo apesar de nem sabermos o que isso poderia significar.

Sem comentários:

Enviar um comentário