20.3.14

Truth View, Painful Result: Should I Talk More?

Não querer ver a verdade é completamente compreensível e "normal". Mas no meu caso não se tratava de não querer ver a verdade, tratava-se de não saber da sua existência.
Eu queria que as pessoas me conhecessem, mas estaria eu a deixa-las conhecer-me? Obviamente não queria, nem quero que o meu grupo de amigos cresça. I mean, estou habituada a perdas, desde cedo que lido bem com elas, mas quanto mais pudesse evitar melhor. Mas quando me perderam a mim vi-me solitária, não por estar perdida, ou por não me encontrar mas sim porque não tinha ninguém que procurasse. Quando foste embora eu chorei de tristeza, desilusão, raiva, o que queiras chamar, mas agora seria verdade? Teria eu que te agradecer? Graças a ti conheci novas pessoas que me fazem sorrir, mas seria suficiente? Já não sinto a tua falta como dantes, habituei-me a ser perdida, tive que suportar. E agora gosto das pessoas e estou constantemente a afastar-me. Eu não gosto o suficiente de mim para deixar alguém gostar também e por isso, quando gostam, o meu objectivo é manter a pessoa interessada em mim, e se eu não fizer porcaria, talvez a pessoa não me deixe num canto qualquer por aí, mas para eu não fazer porcaria eu tenho que me afastar e quando algo se afasta, automaticamente perde-se. Talvez eu não esteja habituada a perdas mas sim a ser perdida. Terei agora alguém para me procurar?
A verdade veio, doeu, mas aqui estão os resultados. Eu tenho que me entregar um pouquinho mais e chorar um pouquinho menos. Obrigada por me teres perdido, deixaste espaço para alguém novo me encontrar. Só não te esqueças onde me perdeste porque continuo a precisar de sair deste sótão de vez em quando, pelo menos até outro alguém me encontrar.



Sem comentários:

Enviar um comentário