14.1.14

War vs. Happiness

Quantas vezes tiveste de engolir a seco? Quantas vezes tiveste de olhar para o tecto para não chorar? Diz-me, quantas vezes tiveste de impedir que uma lágrima caísse no chão? Quantas vezes foste a correr para o quarto para ninguém te ver a chorar porque tu sabes o quanto isso magoa quem tu mais amas? Quantas vezes disseste que eras fraco de noite, para a tua almofada, mesmo depois de passares por tudo isso?
Por vezes dou por mim a ouvir "Justin Bieber - Be alright" e quando estou mal é a música que mais me faz sorrir - e chorar obviamente - depois fico a pensar que realmente tudo vai ficar bem, mas talvez só afirmar não chega. Eu tenho que lutar numa guerra na qual eu continuo de armas postas no chão, por não saber qual usar, por preguiça de lutar. E quando dou por mim sinto-me vazia. Isolo-me dos outros e pior que tudo, afasto as pessoas que gostam de mim.
Talvez todos tenhamos de participar numa guerra. Eu entrei numa guerra comigo e com o mundo. Porque dizem por aí que ninguém é feliz sozinho e eu quero enfrentar esse facto, quero enfrentar as pessoas e mostrar que basto eu para ser feliz e então aí, entro em guerra comigo mesma. Porque se todos temos uma guerra então eu enfrento-me sozinha e metade de mim vai acabar por morrer. Mas e então, as pessoas que entram em guerras com outras. Pessoas que acreditam ter que lutar para serem felizes juntas. E os mortos em combate? os feridos que acabam por morrer no hospital? E os feridos de uma vida inteira? A depressão pós-guerra? Pergunto-me: Será necessário magoar alguém para ser feliz? mesmo que isso implica magoar quem mais amamos?
Chego à conclusão que a felicidade é uma guerra e numa batalha vencemos, noutra somos vencidos.
Não querer ser ingénuo acaba por nos levar a ingenuidade e quem vai ajudar o inimigo numa guerra acaba por sofrer um soco, dois tiros ou até três granadas. Isto tudo porque tivemos pena de alguém - realço aqui que pena é o pior sentimento que podemos nutrir por alguém. 
Com tudo isto, acho que estão confusos, eu própria me confundi neste texto. Eu sou uma confusão e não permito ninguém me desvendar, pois enquanto eu sobreviver a mais um dia - sim, porque há dias em que não vivo, sobrevivo. - eu vou continuar a levantar-me de manhã e enfrentar a luz do dia e vou lutar todos os dias para vencer a minha guerra neste mundo, mesmo que mate pedaços em mim.



Sem comentários:

Enviar um comentário