22.9.13

Gémeos

Eu poderia afirmar aqui sem medos alguns o quão desconfiada sou de tudo. Do mundo, de mim, de ti, dos outros. Tudo e mais alguma coisa me coloca o pé atrás.
Depois vem as infinitas acusações e mexericos sobre a minha pessoa. Posso dizer que sou criticada por tudo, oiço gritos aos quais me habituei ao longo dos anos e segundo a sociedade eu deveria sorrir perante isso. Mas estou farta e cansada. Da pressão, da vida, das pessoas, da família, dos "amigos", das rotinas.
Eu magoo as pessoas para não ser magoada e por momentos resulta, logo depois o feitiço se vira contra a feiticeira e acabo triste ou zangada por algo que eu própria criei. Uma espécie de masoquismo real e imaginário que se debate sobre mim.
Ninguém consegue mudar a sociedade, ninguém consegue mudar um homem. Já pelo contrário a mulher molda-se conforme a vontade dos outros. A única pessoa capaz de mudar alguém é esse próprio ser. Mas talvez nem ele queira isso.
Nós magoamos-nos constantemente na esperança que o outro mude por nós. Tretas, nós voltamos para a pessoa por saudade. É verdade, é devido a essa filha da puta que nós voltamos a cometer os mesmos erros que outrora dissemos que não iríamos repetir.
Mas afinal porque continuamos nós a ouvir as criticas sociais baseadas na maldade e na mentira ? Porque continuamos nós a tomar decisões sobre a pressão da sociedade ?
Decisões que acabam por magoar qualquer pessoa no jogo. Mas o jogo é isso mesmo, são regras sabotadas por todos os que querem chegar ao prémio final, a felicidade.
O nosso humor muda conforme as luas, num dia 'sim' noutro já 'não'. Num dia 'quente', noutro dia 'frio'. Queremos e não queremos. Somos duas pessoas enfiadas dentro de um corpo só e julgados por isso mesmo. Pelas escolhas duplas tomadas.
As pessoas culpam a sociedade, mas a sociedade só muda se cada um o fizer.


Sem comentários:

Enviar um comentário