14.5.17

Soulmate

Acho que és a minha alma gémea pela quantidade de vezes que me destruíste.

Diz-me: quantas vezes foste e voltaste? quantas vezes o fizeste sabendo que pedaços de mim faziam a mesma viagem? contaste ou os dedos das mãos não te chegaram?
Deixei de contar quando já não valia a pena números, quando
já não conseguia pensar.

Instalaste o caos dentro de mim e quando o incêndio acalmou, as cinzas eram o sofrimento a queimar por dentro e quanto mais vezes ias e voltavas, mais vento fazias. E vivi constantemente os teus sopros que levantavam achas para a fogueira que insistias acender e apagar.

Quando foste e não voltaste por muito tempo, acabei por conseguir sarar todas as feridas e queimaduras que me causaste. No entanto, nunca esqueci toda a dor que me fizeste passar. Mais tarde apercebi-me que escolhi sofrer por ti mas que a dor era inevitável, que nada importava mais pois valeu a pena só por teres sido tu que a causaste. Amei o que me matava e não esperei nada mais do que viver.
O amor foi tudo o que ficou quando foste embora, foi eu perceber que era amor o que sentia e dor o que ia sentir.

Deixaste-me arder como estrelas e deste-me espaço como se eu fosse o universo. Foste um buraco negro que engoliu tudo o que te dei, levaste tudo contigo, guardaste-me como poeira interestelar e nunca soubeste como me devolver à minha galáxia. Quando partiste apaguei-me, extingui-me. Quem eu era, deixei de ser. Mudaste-me irremediavelmente, nem mesmo tu podias reconstruir todo o caos que me tornei.

Acho que és a minha alma gémea pela maneira como me mudaste.

Conheci-te muito nova, quando pouco ou nada sabia do sofrimento, hoje relembras-me do que é e do que ainda consegue ser.
Depois disto sei do amor mais do que devia saber. Depois de ti adicionei regras e estabeleci limites e entendi que talvez não fosse mais haver alguém como tu foste para mim. Tive de aceitar que, se realmente eras a minha alma gémea, então eu tinha experimentado isso muito cedo, na altura errada e tinha percebido tarde de mais.

Acho que és a minha alma gémea e sei que não sou a tua.

Acho que o mais triste de tudo foi eu não ter sido a tua alma gémea também. Foi teres nutrido um sentimento forte por mim mas não ter sido tão grande como o meu por ti. Foi teres voltado um tempo depois e perceber que não te podia aceitar pois sei que me iria incendiar de novo por ti, iria queimar tudo o que restava e deixar as cinzas tomarem o meu lugar. Iria deixar de ser, para tu seres.
Nunca quis que fosses a minha alma gémea por achar que as coisas dessem certo entre nós desse modo, nada disso... Não conheço as regras do amor, o código das almas gémeas, mas acredito firmemente que não nos é permitido ficar para sempre com a nossa. Só se mede o tamanho de um amor quando se perde esse mesmo e se tivesse ficado contigo não iria entender o quão importante foste. Hoje vejo-te feliz e pergunto-me como tive coragem de te rejeitar quando eras tudo o que sempre quis. Como tive força para perceber que a minha alma gémea não me era compatível e que o que eu sentia por ti tomava dimensões bastante distintas das tuas e acima de tudo, como tive força para não sofrer com isto.


Talvez tenhamos várias almas gémeas - espero que sim. - Talvez tenha sido a alma gémea de alguém, ou talvez venha a ser. Talvez possamos mesmo ficar com a nossa ou talvez não exista nenhuma. Mas tu existes e sendo ou não a minha alma gémea, fazes parte de mim e moldaste quem eu sou, modificando o que fui.

21.3.17

Equinócio da Primavera


Disse que em breve escreveria sobre ti.
É tarde para este texto, não muda nada, não é suposto mudar, mas era essencial.
Pela primeira vez vou escrever inteiramente sobre ti e és todo tu e um bocado de mim aqui, sem outros sentimentos ou pedaços de pessoas à mistura. Este texto é meu mas pertence-te inteiramente e espero que enquanto lês isto, primeiro percebas que é para ti, e segundo o faças com um sorriso na cara e um coração carregado de carinho.

Antes de mais, desculpa por ter desistido de nós.
Lutei muito por nós, lutei até ficar emocionalmente exausta, até as lagrimas que tanto ardiam quando me escorriam pela cara pararem de cair, até os gritos tão cavos que emitia deixarem de se ouvir, até perceber que discussões não eram a resolução do nosso problema nem parte dele. Desisti de nós quando o corpo que me atacava era o mesmo que me abrigava, quando o teu abraço já não significava proteção e as palavras que outrora me aqueciam mais tarde só me congelaram.
Mas quero pedir desculpa porque sei que desistir também foi um pensamento teu e não o fizeste. Porque sei que desistir de mim nunca foi algo concebivel para ti mesmo que isso tenha significado desistires de ti.


Mas quero que saibas que não nos deixei por não te amar, mas porque cada segundo a mais que ficava, era um pedaço de mim que ia. E posso dizer que deixar-te, amando-te foi uma das piores dores que me fizeste passar. Foi escolher ser forte, ou sermos os dois fracos. Foi uma decisão completamente racional no meio de toda a emoção que estava a viver.
Desculpa ter desistido de nós, e desculpo-me por ter desistido de mim também.


Perdoa-me pelos erros que cometi.
Cometi erros que todos nós cometemos numa relação mas mesmo assim, desculpa. Não retiram a dor que te causei por serem comuns. E causar-te dor doeu-me tanto... Podia mencionar aqui alguns mas não há necessidade, tu sabes quais foram pelas vezes que os descreveste com frieza e eu também sei e acredita que muitas vezes me martirizei por eles.
Desculpa pelas coisas que não fiz por medos e receios.

Também cometeste erros, como um humano. Muitas vezes não me senti amparada e acho que o fim começou quando duvidei do teu amor por mim. Não consegui segurar as pontas quando tudo se tornou uma bola que enrolava todas as nossas partes boas e as levava lentamente para o passado. Soube que acabou quando deixaste de me agarrar as mãos ou o teu olhar era oco e sem brilho. Quando ter-te à minha frente me fazia ter saudades de ti e voltar para ti não podia ser uma opção.

O beijo que te dei e que soube que era o último tirou-me o ar dos pulmões e o sangue do corpo, era apenas o vazio de uma alma a beijar o fundo da outra sem qualquer esperanças de futuro. Penso que foi o beijo mais carinhoso e 'toma bem conta de ti' que alguma vez te dei, foi um beijo que soube a despedida e apesar de não ter largado nenhuma lágrima posso garantir-te que chorei por dentro. Vou para sempre guarda-lo na memória pois é uma das melhores recordações do nosso fim. Vou guardar-nos da melhor maneira possível, seja escrevendo, sonhando ou revivendo.

Mas quero que saibas que não nos deixei por não te amar mas porque ficar iria destruir tudo bom que uma vez construímos, iríamos ficar com uma visão um do outro completamente distorcida da realidade. Iríamos desejar nunca termos existido e a última coisa que quero é que te arrependas de nós.

Espero que mesmo sem este pedido de desculpas já me tenhas perdoado, não por mim mas por ti, para puderes seguir em frente apesar de me teres deixado para trás e que apenas olhes por cima do ombro para recordar tudo com um grande sorriso.
Perdoar alguém traz nos paz, traz nos calma. Não espero que esqueças, eu também não esqueço. Mas já te perdoei, já nos perdoei. Quero que estejas bem neste momento, quero que fiques sempre bem, que nunca percas esse teu sorriso discreto mas que me fazia derreter sempre que o via. Espero que encontres alguém que te dê sempre valor e que te dê tanto como o que recebe pois tu és um homem de dar. Espero que quando não estiveres feliz tenhas coragem e força para recomeçar noutro lado, espero que saibas como sair sempre por cima e que quando tiveres que sair por baixo saibas levantar-te logo depois. Sei que por vezes fomos pouco e outras vezes fomos muito, mas sempre que fomos, fomos a sério, fomos sentimento e fomos verdade. Foste uma das alturas mais felizes da minha vida e por isso estou eternamente grata.

Obrigada por nunca teres desistido de mim, obrigada por me teres abraçado quando o meu mundo estava a ruir e hoje entendo o poder de um abraço quando o teu me faz tanta falta. Obrigada por teres sido meu amigo no meio da nossa relação e o meu melhor amigo fora dela; por me teres feito rir tantas vezes e quando te disse "não te faço rir amor? então não te faço feliz ..." e depois disse uma piada completamente descabida, obrigada por nesse momento teres dado a gargalhada mais forçadamente verdadeira que alguma vez deste só para eu me sentir melhor; por teres tido coragem de mostrares o teu lado ridículo enquanto eu era ridiculamente louca. Obrigada por teres sido paciente e por um conjunto infindável de coisas mas acima de tudo:
obrigada por me teres amado como eu era, coberta de erros, cheia de defeitos e completamente diferente de ti.